Qual é a resistência mecânica que uma linha de vida deve ter?

postado em: Segurança do Trabalho | 0

Consideradas EPCs – Equipamentos de Protecção Colectiva – e sistemas de implementação prioritária na área dos Trabalhos em Altura, as linhas de vida são, na maior parte dos casos, soluções consideradas complicadas, dispendiosas ou que atrasam e atrapalham a execução das tarefas dos trepadores.

Existem linhas de vida do tipo vertical ou horizontal, instaladas de forma fixa ou temporária e em relação às quais são ancorados os Equipamentos de Protecção Individual Anti-Queda, como bloqueadores automáticos, mosquetões, cintas e cordas.

Nas linhas de vida verticais encontramos soluções técnicas e fixas do tipo cabo de aço galvanizado ou inox (preferencial) ou do tipo de calha ou carril de alumínio (mais comum), inox ou galvanizado. No que diz respeito às linhas de vida horizontais e fixas, existem mais soluções e que passam pela instalação de cabo de aço inox ou galvanizado,cabo sintético (novidade) ou calha ou carril de alumínio, inox ou galvanizado, sendo que aqui deverá existir uma maior preocupação quanto à seleção do sistema mais apropriado, tendo em conta se pretendemos obter um simples Sistema de Travamento de Queda ou um Sistema de Posicionamento de Trabalho.


Para além disso, nas situações que envolvam a utilização de linhas de vida fixas, o facto de eventualmente “trabalharmos em suspensão” irá naturalmente implicar que a solução a adoptar será sempre a de carril ou calha, devido ao facto de não existir deformação deste EPC Anti-Queda.

Se você for projetar, desenvolver, instalar ou utilizar uma linha vida que tenha algum ponto ancorado é importante observar algumas considerações que devem atender a legislação do nosso pais, principalmente sobre a resistência que esse ponto de ancoragem deve ter.

Dispositivo de ancoragem com um ou mais pontos de fixação fixos (parafuso com porca, barra roscada, chumbador mecânico, chumbador químico) para proteção de 1 ou vários usuários, utilizado como sistema anti-quedas, deve atender a resistência de 1.500 Kgf para 1 pessoa ou de maior resistência para mais pessoas, deverá ser calculado por um engenheiro responsável e vinculado a emissão de ART. (Anotação de Responsabilidade Técnica).

Portanto os pontos de ancoragem devem:

a) estar dispostos de modo a atender todo o perímetro do trabalho a ser realizado;

b) suportar uma carga pontual de 1.500 Kgf (mil e quinhentos quilogramas-força); Este item foi acrescentado na NR-18 em maio de 2012.

c) constar do projeto estrutural da edificação;

d) ser constituídos de material resistente às intempéries, como aço inoxidável ou material de características
equivalentes.

A ancoragem deve apresentar na sua estrutura, em caracteres indeléveis e bem visíveis:

a) a razão social do fabricante e o seu CNPJ;
b) indicação da carga de 1.500 Kgf;
c) material da qual é constituído;

Estas recomendações estão de acordo com a NR-18: Construção Civil e NR-35: Trabalho em Altura