Skip to main content

De Catadora de Lixo à Estudante de Direito

Qual é a primeira imagem que lhe vem à cabeça quando você pensa em um campus universitário, especialmente na faculdade de Direito? Será que uma mulher de 55 anos e que ganha a vida juntando lixo reciclável se encaixa no perfil que você imaginou? Pois bem, a catadora de material reciclável Maria de Nazaré dos Santos é atualmente uma estudante de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF). E apesar de ter tido uma vida muito difícil, ela transpôs os obstáculos e conquistou um objetivo considerado impossível para muitos.

Poucos imaginam que alguém, como Maria de Nazaré, que foi privada de estudar desde os 16 anos para ser empregada doméstica e babá, poderia chegar tão longe: ser uma estudante de Direito em uma renomada universidade federal brasileira. A questão é que embora a mineira, nascida em Viçosa, tenha largado os estudos cedo, ela não deixou de batalhar, e usou um dos momentos de maior dificuldade de sua vida como uma oportunidade de se aperfeiçoar.

  • Um exemplo de perseverança

    Depois que seus pais se separaram, Maria foi para Volta Redonda (RJ) com a avó materna. Mas morou em muitas outras cidades do Rio de Janeiro e até em Praia Grande (SP). Trabalhou por um tempo, mas depois passou quase dez anos lutando contra a depressão, o que dificultou sua busca por trabalho. Nesse período, Maria andava sem rumo, mas foi aí que ela buscou interagir com outras pessoas e realizar cursos gratuitos. Fez curso de garçonete, costureira, serigrafia. E também se deparou com uma clínica da prefeitura, onde buscou tratamento para a sua doença, fez terapia de grupo e consultas psiquiátricas. Apesar de não ter se adaptado com os medicamentos receitados, Maria deu a volta por cima, começou a se recuperar sem eles, e voltou a trabalhar.

    O trabalho de catadora surgiu depois de reparar que muitas pessoas ganhavam dinheiro com reciclagem. Porém, ao invés de gastar com drogas e álcool como muitos faziam, Maria passou a se sustentar com o que ganhava. Não gostou muito de revirar o lixo para recolher o material, então usou a persuasão, convencendo os moradores da comunidade onde morava a fazer a seleção do lixo, e depois entregar para ela. Eles perceberam que as enchentes diminuíram e passaram a ajudar Maria com mais dedicação.

  • Retomando os estudos

    Depois de quase 30 anos longe das salas de aula, Maria se matriculou em uma escola de educação para jovens e adultos. Iniciou os estudos desde o Ensino Fundamental, e quatro anos depois, em 2010, formou-se no Ensino Médio. Nos dois anos seguintes, organizou uma cooperativa de catadores de lixo. E em 2013, decidiu fazer o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), mas não acreditou muito que havia passado. No entanto, suas duas horas diárias de estudo surtiram efeito, porque, apesar de não ter feito cursinho, e ter estudado por conta própria, com muitos livros que ela encontrava em meio aos materiais recicláveis, e tomando nota de dicas de outras pessoas a respeito do funcionamento das provas do ENEM, ela conseguiu ser aprovada, e hoje é, quem sabe, uma das mais admiradas e peculiares estudantes da UFF. O mais bacana é que os estudos iam até o início da madrugada, e às 6 horas da manhã, ela já estava de pé para trabalhar.

    E sabe qual é o principal objetivo de Maria com a faculdade de Direito? Lutar pelos direitos dos catadores de lixo. Sendo que seu ingresso na faculdade motivou outras mulheres da cooperativa de catadores, a qual Maria coordena. Ela não tem dúvida de que vai se formar, afinal, a nova universitária, que acredita nunca ser tarde demais para mudar de vida, tem plena consciência de que o sacrifício e o estudo são necessários para alcançar o sucesso.

    Fonte da Imagem: Diário do Vale – Via: familia.com.br

DEIXE SEU COMENTARIO...

Portal SEG BR

Notícias, Artigos e conteúdos relacionados à saúde e segurança do trabalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *