A importância da Analise de risco no trabalho

importancia-da-analise-de-risco

A Analise de Risco

Análise de Risco é o uso sistemático de informação disponível para determinar quão frequentemente eventos especificados podem ocorrer e a magnitude de suas conseqüências.

É fundamental no nosso dia a dia avaliar o risco, mas na maioria das vezes o fazemos de forma muito sucinta e despretensiosa, deixando de lado muitas condições que deveriam ser analisadas para garantir a real segurança.

Análise de risco consiste em decompor partes constituintes de um todo, investigar, pesquisar referências adicionais que levem a uma melhor compreensão de um fator isolando-o de sua origem, estabelecer analogia entre os fatores preponderantes, é a missão de todo prevencionista, antes e após a ocorrência do acidente.

Riscos são tipicamente definidos como eventos negativos. Entretanto, o processo de análise de risco também pode considerar resultados potenciais positivos. Explorando o espaço completo de resultados possíveis para uma dada situação, uma boa análise de risco pode identificar tanto as armadilhas quanto apontar novas oportunidades.


Caso você tenha dificuldades na elaboração, não deixe de ver nosso artigo Guia da Análise de Risco,  trata-se do estudo técnico muito bem elaborado para você profissional prevencionista.

Na área de segurança do trabalho, os profissionais utilizam-se da APR (Analise Preliminar de Risco)

A Análise Preliminar de Riscos,  é o estudo feito por especialistas das diversas áreas de atuação que durante a fase de concepção, desenvolvimento de um projeto ou sistema, tem  a finalidade de  determinar os possíveis riscos que poderão ocorrer na fase operacional de uma atividade.

A importância da analise de risco

Revisão de problemas conhecidos: consiste na busca de analogia ou similaridade com outros sistemas, para determinação de riscos que poderão estar presentes no sistema que está sendo desenvolvido, tomando como base a experiência passada.  

Revisão da missão a que se destina: atentar para os objetivos, exigências de desempenho, principais funções e procedimentos, ambientes onde se darão as operações, etc. Enfim, consiste em estabelecer os limites de atuação e delimitar o sistema que a missão irá abranger: a que se destina, o que e quem envolve e como será desenvolvida.   

Determinação dos riscos principais: identificar os riscos potenciais com potencialidade para causar lesões diretas e imediatas, perda de função (valor), danos à equipamentos e perda de materiais.   

Determinação dos riscos iniciais e contribuintes: elaborar séries de riscos, determinando para cada risco principal detectado, os riscos iniciais e contribuintes associados. Revisão dos meios de eliminação ou controle de riscos: elaborar um “brain storming” para levantamento dos meios passíveis de eliminação e controle de riscos, a fim de estabelecer as melhores opções, desde que compatíveis com as exigências do sistema.   

Analisar os métodos de restrição de danos: pesquisar os métodos possíveis que sejam mais eficientes para restrição geral, ou seja, para a limitação dos danos gerados caso ocorra perda de controle sobre os riscos.   

Indicação de quem será responsável pela execução das ações corretivas e/ou preventivas: Indicar claramente os responsáveis pela execução de ações preventivas e/ou corretivas, designando também, para cada unidade, as atividades a desenvolver.

Bem pessoal é isso ai, caso queiram se aprofundar mais em análise, leia o Guia de Analise de Risco